• Oeiras - Portugal

  • 937 271 910 

    info@carlosbaltazar-pnl.pt 

  • 10.00 - 19.00

    Segunda a Sábado

Artigos por Carlos Baltazar

Se queres sair da tua zona de conforto e encontrar-te contigo mesmo, nunca é tarde mas também nunca é demasiado cedo.

Porque não havias de ser o herói da tua própria história?
Há quem escolha vidas monótonas ou pobres de aventura mas tu não tens de fazer o mesmo. Aventura não é só fazer desportos radicais ou ir para sítios perigosos.
A jornada mais compensadora está à espera de quem se aventura para lá do território batido das suas limitações.

Os trabalhos de J. Campbell sobre as grandes histórias e mitos da humanidade e os de C. Jung sobre símbolos, arquétipos e inconsciente colectivo têm-me inspirado e a muitas pessoas que procuram modelos robustos para práticas de descoberta e crescimento pessoal.

Tenho usado activamente o conceito de Jornada do Herói de Campbell e a ideia de Arquétipos de Jung sobre uma estrutura comum: o desenvolvimento do ser integral em torno dos temas de Ego, Alma e Self.

A nossa jornada enquanto seres humanos únicos e individuais começa pelo reconhecimento e estruturação do Ego, instância executiva da mente.

Na jornada do herói, o protagonista (uma personagem de fábula ou uma pessoa normal como tu e eu) começa por ter consciência de que não pertence ao lugar onde está ou pode suceder que simplesmente seja atirado para fora do seu mundo costumeiro.
A verdadeira viagem obriga-o a ultrapassar a bem conhecida zona de conforto.
Os ritos de iniciação retiram do seu mundo normal o jovem que quer passar à idade adulta e levam-no a empreender um processo em que se vai confrontar com a separação, a dor, o desconforto, o imprevisto, e os seu medos mais profundos.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Ninguém consegue deixar de acreditar em algo.
Sobre si mesmo, sobre os outros, sobre o mundo em geral.

 

O que são Crenças?

CRENÇAS são Generalizações aprendidas sobre a 'realidade', com fortes efeitos no sistema de filtragem e significação, ajudando a criar o seu modelo do mundo.

Vamos lá descodificar este pacote de informação:

Generalização (segundo a PNL) é um dos processos universais de modelagem através dos quais criamos mapas da realidade.
Generalizamos sempre que criamos regras ou classificamos algo.
Crenças são aprendidas sobre a ‘realidade’ ou sobre aquilo que julgamos ser a realidade. Depois de adquirida, uma crença transforma o mundo tal como o vemos.

Filtragem é um fenómeno que acontece sempre que observamos ou reagimos a um evento, sempre que falamos de algo ou transmitimos informação. Sempre que interpretamos uma situação ou evento e, consequentemente, criamos um mapa da realidade.

Significação é uma das actividades incessantes da mente. Tudo tem um significado para nós. Melhor dizendo: a tudo damos um significado, mais um menos consciente.

Modelo do mundo é a colecção de mapas da realidade que vamos fazendo ao longo da nossa vida e como resultado mais ou menos consciente das nossas aprendizagens. Ter um modelo do mundo significa dispor de uma enorme colecção de crenças acerca do que julgamos ser verdade e fazer sentido na nossa vida, acerca de nós mesmos e da nossa relação com os outros.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Saber quem somos e saber para onde vamos

 

Haverá alguma vez uma forma de sabermos quem somos? É um mistério paradoxal que o EU, a pessoa em cujo corpo efectivamente vivemos, permaneça um território desconhecido e, não raras vezes, assustador.
No entanto, a maioria de nós tem um sentido forte de identidade, de ser um indivíduo único pelo qual passa a chama da vida!

A identidade é uma ideia que se baseia na continuidade temporal das experiências da pessoa. Eu sinto que a pessoa que sou é a mesma que era há uns instantes.
- Ah, então deve haver essa entidade que sou eu! E quando penso nisso, tenho uma sensação que me diz que ‘eu’ existo.

Acredito que não existe identidade sem um sentido de propósito e missão, o que implica também uma série de valores essenciais e crenças profundas sobre si próprios, as suas capacidades e merecimento.

Uma história:

O Guerreiro perdido

O homem que caminhava penosamente naquele território desconhecido não sabia quem era e o que ali fazia. Recordava-se de ter sido atacado e agredido por um grupo de inimigos que o deixaram desfalecido, depois de o roubarem de tudo o que levava consigo: cavalo, alforge, armas, mantimentos.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Manifesta o teu potencial e dispõe de mais recursos na tua vida 

"O passado está vivo na memória, o futuro presente no desejo." (Carlos Fuentes)
Será possível conciliar esta ideia, da presença simultânea do passado e do futuro com a sugestão de que o AGORA é o único momento em que existes, como sustenta  Eckart Tolle?
E. Tolle tem escrito abundantemente sobre o poder do Agora e as virtudes do estado de Presença. E aqui, particularmente, a PNL está de acordo:
Inquietação, ansiedade, tensão, stress, preocupações - todas as formas de medo - são causadas por demasiado futuro e insuficiente presença.
Culpa, arrependimento, ressentimento, lamentações, tristeza, amargura e todas as formas de sentir onde esteja ausente o perdão são causadas por demasiado passado e insuficiente presente.

 

A PNL (Programação Neuro Linguística) afirma que a memória do passado está codificada na nossa mente de acordo com o peso emocional associado aos diversos episódios e que é possível trabalhar sobre a nossa história pessoal e melhorá-la.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

O tempo é algo que existe entre uma possibilidade e a sua realização.

 

 

Muitas pessoas imaginam o futuro como tendo já acontecido e não se motivam. Outras veem o futuro como algo muito distante, tornando os seus objectivos muito longínquos e desmotivam-se.

“Aprender é movimento de momento para momento.”  –J. Krishnamurti

A Luísa (nome fictício) tem peso a mais e não consegue subir dois andares sem se cansar. Contudo, quando pensa em exercitar-se, ela entra em modo sonhador e imagina-se logo em excelentes condições físicas. Saboreia essa satisfação imaginária de se sentir muito bem com o seu corpo e adia uma vez mais a inscrição no ginásio ou a sua mudança de regime alimentar.
O que a Luísa fez foi excluir o intervalo de tempo entre a possibilidade de ter o corpo que deseja e a sua concretização, durante o qual se deveria esforçar para conseguir um resultado atraente. Resultado: não vale a pena fazer exercício físico.

Por outro lado, se a Luísa imaginar que o tempo entre o seu esforço e o resultado se estica indefinidamente, o seu objectivo fica demasiado afastado e será certamente pouco motivador. Resultado: não há vontade de fazer o tal exercício físico.

A forma como imaginamos o tempo e o representamos na nossa mente é muito subjectiva e varia de pessoa para pessoa.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Remover as pedras no caminho da mudança

Mudei de casa recentemente. Com esta, já são mais de uma dezena de vezes na minha vida de adulto. Suponho que me qualifico como experiente nestas andanças.

Conheces certamente o sentimento de perda do espaço que tão bem se conhece em contraste com a expectativa de ganho futuro na casa que se vai habitar.
Talvez já tenhas sentido a mesma confusão que eu tive: a maior dificuldade é abandonar objectos, coisas e móveis que já não nos servem ou simplesmente não cabem na nova morada.
Mudar de casa é uma mudança externa que convida a uma actualização interior.
Numa transformação que faça sentido é preciso libertar espaço para aquilo que há-de vir. É preciso criar vazios por onde passem coisas, na mudança de casa, e fluam ideias, crenças, valores, padrões mentais, na mudança interior.

Estes são dois grandes obstáculos para a mudança (supondo que ela já foi aceite e é desejada):

  1. Não saber o que se quer, sem uma perspectiva realista dos resultados que queremos obter depois da mudança efectuada.
  2. Querer conservar coisas que já não cabem no espaço para onde vamos e não fazem sentido para a pessoa que estamos em vias de ser.
Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Fecha as fontes de mal-estar!

Faz melhores perguntas, recebe respostas mais eficazes, obtém os resultados desejados…

Anthony Robbins é um dos comunicadores actuais de maior sucesso, falando para audiências de milhares de pessoas, fazendo coaching com celebridades, ganhando milhões…  Eu acredito que ele sabe alguma coisa acerca de sucesso.
Robbins começou na vida longe da ‘pole position’. Com 17 anos tinha de ganhar a vida para sustentar a sua família disfuncional. Aos 21 encontrou a PNL (Programação Neuro Linguística)  e isso fez toda a diferença na sua vida.
Escutemos o que ele diz sobre o sucesso e a qualidade das perguntas:
“Pessoas com sucesso fazem melhores perguntas e isso resulta em melhores respostas”
E melhores respostas conduzem a acções mais focadas e eficazes...
Acções mais eficazes contribuem para elevar o potencial...que suporta melhores estratégias...que originam ainda melhores resultados...

Este é o segredo dos ciclos virtuosos que acontecem na vida das pessoas ditas de sucesso.

Também há o círculo vicioso, mas deste falarei mas abaixo.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

É quase uma constante da vida: raramente nos sentimos satisfeitos com o nosso estado actual e estamos em permanente demanda em busca de um certo (ou incerto) estado desejado.

O que acontece quando não nos sentimos bem e queremos mudar algo na nossa vida? O que procuram as pessoas numa sessão de Coaching?

Normalmente, as pessoas querem uma destas coisas:

  • Deixar de fazer uma coisa que têm feito.
  • Deixar de sentir algo.
  • Fazer uma coisa que não têm feito.
  • Obter um resultado que não têm alcançado.
  • Passar a sentir algo que antes não sentiam.

A situação mais normal, quando as pessoas sentem ter Problemas é:

Estarem associadas (imersas) nos seus PROBLEMAS e dissociadas (separadas) dos seus Recursos.

O objectivo primário de um processo de Mudança será, então, ajudar as pessoas a:

Estarem associadas (vivendo) os seus RECURSOS e dissociadas (observadoras) dos seus Problemas.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Há períodos da vida que são extremamente difíceis. Situações de perda, de separação inesperadas, em que tudo se desmorona e a vida parece ser tão injusta. Tudo parece correr mal. Ficamos num impasse, não sabemos para onde nos virar.

 

Eu gosto de usar o paradigma do herói e da vítima. Todos somos ambas as coisas, alternando a expressão da nossa ferida com a respectiva dor, característica da vítima e a valorização do nosso dom, que é a marca do herói.

O herói dentro de nós revela-se perante situações desafiantes, em que somos convocados para uma jornada de descoberta, saímos do nosso território habitual, ultrapassamos perigos, confrontamos adversários, encontramos aliados e acabamos por regressar com um tesouro, completos e renovados.

Quando estamos num impasse, temos tendência a fechar-nos na nossa apertada zona de conforto e contraímo-nos, de forma a proteger o que resta da nossa energia. Ora, a atitude de contrair desperdiça energia, uma vez que é defensiva e governada pelo ego. Não me perceba mal: você tem todo o direito a sentir-se ferido, eventualmente injustiçado pelos acontecimentos – mas pode pagar um preço alto se permanecer nesse estado.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Conjugar Intenção e Visão para atingir Objectivos e viver melhor

 

Há circunstâncias na vida em que é preciso tomar decisões de fundo sobre o rumo a tomar. Muitas vezes, estas decisões podem levar-nos a sair da bem conhecida e estreita zona de conforto e o nosso cérebro, amigo do habitual e do conhecido, arrepia-se de medo.
Bom, não é sempre assim, não há dois cérebros iguais, felizmente.
Há pessoas que preferem a diversidade e surpresa à estabilidade e ao hábito. Todavia é comum que as grandes mudanças sejam encaradas com apreensão. Isto é perfeitamente justificado se tivermos em conta que o nosso cérebro mais primitivo está ‘programado’ para nos proteger do perigo que, normalmente, toma a forma de algo imprevisto, diferente do habitual.

Por vezes pensamos precisar de uma coragem que não temos para nos atrevermos a fazer as coisas que julgamos serem importantes mas ainda não urgentes.
Quando elas são urgentes e inevitáveis, muitas vezes descobrimos ter a bravura que desconhecíamos em nós mesmos.

Há uma espécie de coragem e determinação mais importante do que a do exemplo acima. É a que nos permite, todos os dias, sermos co-criadores do mundo em que vivemos. É esta a coragem que sustem a nossa vida.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

A Programação Neuro Linguística é uma metodologia prática do desenvolvimento humano que surgiu nos anos 70 nos EUA. 

A PNL oferece uma abordagem pragmática e funcional ao estudo da mente, na perspectiva da excelência humana.

Como nos podemos sentir bem, com acesso a todos os nossos recursos, resolvendo padrões ineficazes do passado e atingindo os nossos objectivos mais importantes.

A PNL estuda a mente humana, recriando o seu manual de instruções.

  • Traz ao consciente processos inconscientes
  • Activa recursos
  • É um processo de Enquadramento Positivo
  • Estuda e transforma a estrutura da experiência subjectiva
  • Desbloqueia e corrige padrões deficientes
  • Dá-nos a chave para o manual de utilização da mente
  • Fornece ferramentas para optimizar o processo de comunicação

1. A arte do reenquadramento positivo. Escolher o melhor ponto de vista.

P: Qual é o significado real dos acontecimentos?

R: Nenhum, basicamente.

O significado é atribuído por ti, ao filtrares a informação disponível através do teu sistema de crenças. Esta é uma das consequências deste princípio: Não são os outros ou as situações externas que te fazem sentir mal. Aquilo que tu pensas sobre o que está a acontecer é que tem esse poder.

Imagina que sais de casa e um desconhecido te empurra, sem pedir desculpa. Como te irás sentir? Se estiveres de mau humor, podes pensar que o mundo está contra ti ou que as pessoas, em geral, são mal-educadas e não têm consideração pelos outros.

Aposto que será diferente se tiveres saído de casa com óptima disposição. E se o desconhecido te pedir desculpa com um sorriso? Então até podes achar que o encontrão é um sinal do Universo que te saúda e apoia!
Mas a verdade é que o encontrão foi o mesmo nas duas situações!

Dica:  Se estiveres a sentir-te mal devido a algo que te aconteceu ou te disseram, experimenta fazer este jogo : Ganhas tantos mais pontos quanto mais enquadramentos ou pontos de vista diferentes puderes encontrar para atribuir significados ao caso.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

O que é para ti um problema?

Talvez possas concordar com alguma destas definições:

  • Algo que não te deixa sentir bem.
  • Algo que te impede de atingir o teu objectivo.
  • Dificuldade em estar presente no agora.

 

Basicamente, todas as pessoas querem sentir-se bem e estão permanentemente insatisfeitas com o seu estado actual e em constante busca do estado desejado. Quando surge um problema, esse estado desejado fica mais longe!

De acordo com a PNL, o problema está sempre na nossa mente; fora dela há circunstâncias. Bem entendido que as circunstâncias podem ser difíceis, ‘problemáticas’, mas a dimensão emocional que nos perturba e diminui o nosso poder está dentro e não fora de nós.

“Só resolvemos os problemas criados pelo Ego quando percebemos que ‘nós’ somos o problema”. Genpo Merzel
Então, se tenho um problema, devo assumir que a culpa é minha?
Não, de forma nenhuma! Isso seria mais uma vez o Ego a manifestar-se: não se trata de culpa, trata-se de assumir a responsabilidade completa por encontrar a solução. E trata-se de abandonar a identificação que fazemos entre nós e a história do problema.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

"A preocupação não esvazia o amanhã das suas dificuldades mas esvazia o hoje da sua força". Corrie Boom

Acreditas que os teus estados de espírito, manifestados no sistema corpo-mente descem do céu?
Certamente que não,  assim como não és vítima de uma partida do universo. 
Os teus sentimentos não são criados fora de ti. Não são criados por eventos externos. Não são criados por outras pessoas.

Podemos ter dificuldade em admitir, mas os nossos sentimentos são gerados através das interpretações que fazemos e dos significados que atribuímos aos acontecimentos. Melhor dizendo: à percepção que temos dos acontecimentos!
Isto convida-nos claramente a tomar responsabilidade pela nossa vida, fazer melhores escolhas e expandir simultaneamente a nossa liberdade e possibilidades.
Custa?
Talvez sim, mas vale muito a pena!
NOTA: Um dos princípios da PNL afirma que a Percepção é Projecção. Isto é, projectamos o que somos sobre o que percepcionamos.

A preocupação é um destes sentimentos de que tanto nos queixamos…

A preocupação é um estado normal perante tantos desafios que nos são colocados. É normal mas ineficaz.
Podemos fazer alguma coisa imediatamente? 
Então, vamos a isso.
Não podemos? 
Então busquemos a paz que decorre da aceitação das coisas tal qual são e aproveitemos essa PAZ para activar os recursos de que precisamos para avançar para a acção.
Como alguém me disse: “Não me preocupo com coisas com que não tenciono ocupar-me”.
.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Começa a 18 de Agosto, termina em 2 de Setembro. 

Lotação: 12 pessoas

Quinta da Cerca, Midões-Tábua.  É um Turismo Rural inserido em paisagem de serra.

Curso de Certificação PNL, em regime residencial.

 

 

 

curso intensivo de verão está concebido para quem prefere dispor de alguns dias de férias em vez de usar 8 fins de semana ao longo de 5 ou 6 meses como é o caso dos cursos em regime 'normal'.
Este curso também é mais intensivo em termos de experiência transformadora e tem a vantagem adicional de permitir trocas de informação mais frequentes, designadamente devido à maior  presença do orientador.
Ocupando períodos de férias, queremos que os cursistas se sintam num espaço acolhedor e com a fruição de amenidades para os períodos de descanso e lazer.

Escolhemos um espaço muito tranquilo e cheio de possibilidades, muito perto de Tábua, na Quinta da Cerca, uma quinta Biológica com 14 hectares, com amplidão de espaços interiores exteriores bem como piscina.

O período agendado é de 18 de Agosto a 2 de Setembro. 

O custo será 1800 eur mas terá uma significativa redução  para 1590 eur para inscrições feitas até 30 de Junho. Este investimento inclui alojamento e refeições (com opção vegetariana).

Para a inscrição, basta fazer um pagamento inicial de 90 eur que será devolvido em caso de cancelamento ou desistência.

A lotação máxima será de 12 cursistas.

Para eventuais acompanhantes há condições para residência com custo ajustado, usufruindo do magnífico espaço.

 

faça a sua reserva Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. 

 

 

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

O que precisa de saber e fazer para pensar melhor

                Vale a pena insistir em pensar de uma forma positiva? O que pode a PNL (Programação Neuro Linguística) ensinar acerca deste tema?
Existe muita opinião publicada que diz que as pessoas beneficiam com o pensamento positivo. Mas como isso acontece?

 

                Eu tenho uma notícia má:
- O pensamento positivo não funciona

e outra boa:

- O pensamento positivo faz parte daquilo que funciona.

                Começo por algumas das suas mais gritantes limitações.

Considere o exemplo de alguém que está doente ou sofre de condições de vida intoleráveis. Dizer a essas pessoas que têm aquilo que o seu pensamento originou é errado, imoral e cruel.

                O ‘Segredo’ e uma visão muito pobre do que pode ser  o ‘PENSAMENTO POSITIVO’ tomam uma verdade como ´O Eu é uno com o Universo’ e avançam: ‘Somos o Universo’ e o ‘Universo cumpre os nossos desejos. Isto é narcisismo espiritual.

Se assim fosse, bastaria pedir ao Universo e ele daria. Pensemos positivo e o Universo (qual escravo do nosso ego) conspira para nos dar tudo. Tudo inclui: uma casa nova, um carro veloz ou umas férias exóticas com um companheiro encantador!

                Não desertem já desta leitura, caros leitores desiludidos: é mesmo possível que o Universo conspire a nosso favor. Veremos em que condições isso sucede.

E ainda vamos perceber melhor porque o ‘PENSAMENTO POSITIVO’ só por si não funciona e pode ser perigoso.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Ecologia é uma ciência que estuda os seres vivos e as suas interações com o meio ambiente onde vivem. É uma palavra que deriva do grego, onde “oikos” significa casa e “logos” significa estudo.

O conceito de ecologia tem sido aplicado fora do contexto biológico, e a PNL dá-lhe o  significado mais abrangente de estudo das consequências. Outra concepção aponta para a gestão dos equilíbrios entre interesses em conflito dentro de um sistema.

 

Onde há terreno mais propício a conflitos do que a nossa mente? Haverá, então, uma ecologia interior, crucial para o nosso bem-estar como indivíduos e como sociedade?

Vamos perceber melhor com um exemplo. Francisco tem 33 anos e sente que está num cruzamento da sua vida. Tem uma família, mulher e um filho, um trabalho absorvente e uma carreira- é gestor intermédio numa multinacional. Mas a satisfação que costumava sentir com a sua vida confortável tem vindo a diminuir e irrita-se quando os amigos lhe dizem que ele é um felizardo sortudo.

A mulher, Isabel, sugere-lhe que tire mais tempo para ele próprio, já que a vida não se esgota na carreira profissional e queixa-se serenamente de que a sua forma de estar em família se tem fechado. Sugere que, talvez, ele precise de se encontrar a si próprio.

Francisco ouve uma voz dentro de si a dizer-lhe que Isabel tem razão mas outra voz mais sonora lhe grita que tem de tomar mais controlo sobre o que lhe acontece e o que precisa é de progredir na carreira. A vida de um homem não é nada sem desafios a vencer e ele tem é andado muito acomodado, precisa de arrebitar e mostrar ao mundo a fibra de que é feito. Afinal que treta é essa de se encontrar a si próprio? Conversa de fracos…

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

O seu comportamento manda em si?
É tempo de mudar! A PNL dá-lhe uma ajuda.

As pessoas são muito interessantes. Aparentemente, decidem fazer o que fazem e julgam acreditar em coisas reais.

Mas a verdade é que frequentemente sofrem porque os seus comportamentos já não as gratificam. Ou talvez os seus comportamentos lhes deem prazer imediato, mas as obriguem a pagar um preço elevado, mantendo a insatisfação a um nível mais profundo.

Porque não somos então capazes simplesmente de adoptar comportamentos adequados às nossas aspirações e ao nosso potencial de desenvolvimento?

Naturalmente, é preciso dispor de novas competências para desenvolver novas estratégias. Sendo assim, porque não aprendemos simplesmente novas capacidades ou habilidades?
A resposta reside na deficiência das crenças e convicções que interferem no processo.

 Os comportamentos têm a tendência de se agrupar em padrões. Então dizemos, “este padrão não me convém” ou” lá estou eu a fazer o mesmo…”

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

 “Ser reconhecido, ser valorizado, sentir-se importante são as três maiores necessidades do homem”, Thomas Dewey.

Depois de satisfeitas as necessidades básicas de sobrevivência, que são semelhantes às dos outros animais, o ser humano tem necessidades complementares que são próprias da sua evolução mental.

Segundo A. Robbins, estas são as necessidades humanas mais significativas:

Estabilidade, variedade, conexão, crescimento, significado e contribuição.

A aspiração de ser importante está muito ligada à necessidade de ser visto, reconhecido e apreciado, mas só se compreende no contexto de todas as outras, como veremos.

O que é SER importante? Na prática, o que queremos é sentirmo-nos importantes.

Cada um de nós pode fazer diversas interpretações deste conceito, tais como:

  • Parecer importante. Sinto-me importante se parecer importante.
  • Sinto-me importante quando tenho a percepção de que outros (a que dou ‘importância’) me julgam importante.
  • Sinto-me importante quando julgo os outros como menos importantes do que eu.

Ser importante equivale a sentir-se importante.

Como?

Vejamos duas abordagens alternativas:

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

 

              Pergunta frequente: qual é a relação do Coaching com a PNL –  Programação Neuro Linguística?
(esta é uma questão que me colocam muitas vezes em workshops, cursos ou consultas)
Podia definir o coaching como um conjunto de processos e modelos, baseados numa atitude interrogativa e de grande respeito pelo potencial do outro, que ajudam a pessoa a sair de onde está para chegar onde ela quer.

 

                Numa das primeiras obras publicadas sobre Coaching, “The Inner Game of Tennis”, Tim Gallwey observou que o jogo interior  (o que se passa na cabeça do jogador) é tão ou mais importante do que o exterior (o que ele faz com o seu corpo).

                O estudo e transformação da experiência subjectiva é a grande área de trabalho da Programação Neuro Linguística. Experiência subjectiva é o ‘inner game’, o jogo interior composto de imagens e diálogo interno, sensações e pensamentos.
                A  PNL começou, nos anos 70, com uma atitude de enorme curiosidade perante as estratégias de sucesso de grandes comunicadores.        

Essencialmente, a PNL:

  • Traz ao consciente processos inconscientes.
  • Identifica e actua nas estruturas que estão na sua origem.
  • Trabalha em aliança com o Inconsciente.
  • Dá uma grande importância à Acuidade Sensorial – observação e reconhecimento da informação recolhida pelos sentidos e pelas sensações do corpo.
  • Baseia-se numa atitude de flexibilidade (se aquilo que faz não funciona, faça diferente) e de enorme respeito e curiosidade pelas pessoas.
Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

“Antes de criticar alguém, incluindo uma parte de si próprio, caminhe uma milha nos seus sapatos” - adaptado de um provérbio americano.

Quer comunicar melhor com os outros? Gostaria de perceber melhor as pessoas com quem tem algum problema de comunicação ou convívio?

Precisa de ter uma boa presença em entrevistas, reuniões, debates?

A PNL ensina métodos excelentes que podem ajudar a resolver conflitos e melhorar relações e os resultados da comunicação em geral.

Os princípios bases são

  1. Compreenda para ser compreendido
  2. Tome a responsabilidade pelo resultado da sua comunicação.

Nós não temos acesso directo ao outro. Somente podemos assistir ao seu comportamento e entender aquilo que a outra pessoa afirma de si própria.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

As emoções estão no cerne da nossa vida como seres humanos. Elas decorrem da forma como pensamos mas, frequentemente, elas aparecem antes ainda que qualquer pensamento seja processado.

Ao longo da nossa vida, muitos episódios emocionalmente significativos foram impressos na nossa memória, alguns trazendo consigo uma sequela de sofrimento desnecessário.

Como pode a PNL ajudar a exprimir emoções, libertando-nos dos seus efeitos tóxicos?

As sugestões que se seguem podem ser aplicadas em interacção consigo mesmo ou com a outra pessoa que se apresente debaixo de uma emoção debilitadora.

  1. Reconhecer

Não há forma de lidar com emoções através da simples repressão. A repressão NUNCA é simples!  

O que acontece quando se tenta abafar uma emoção desagradável? Provavelmente irá tornar-se tóxica. Pense na emoção como uma manifestação energética. Ao reprimi-la vai manter essa energia negativa dentro de si, com efeitos imprevisíveis.
Perante uma situação emotiva, pode dizer: “Reconheço que estás emocionado”. Ou  “Percebo que qualquer coisa te perturba “ …Enfim, há muitas formas de acolher a emoção - seja a sua ou a do seu próximo!

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

 “O Sucesso não é construído sobre o sucesso. É construído sobre falhanço. É construído sobre frustração. Às vezes, é construído sobre catástrofe.” Sumner Redstone.

“A nossa fadiga é frequentemente causada não por trabalho, mas por preocupação, frustração e ressentimento.” Dale Carnegie

A Frustração - o desagradável sentimento de não obter o que se pretende - é uma das mais antigas e frequentes experiências emocionais.

A criança sofre a frustração assim que verifica que o mundo está separado dela e não obtém de imediato o que deseja. A criança ainda não aprendeu que existe sempre um intervalo entre o querer e o obter. Crescer implica o reconhecimento deste intervalo e o aceitar que nem sempre se obtem o que se pretende.

Não é possível desenvolver actividades que exijam a preparação e investimento de esforço sem se aprender a adiar a gratificação. Numa sociedade que é cada vez mais rápida, com estímulos sempre presentes a chamarem-nos para o usufruto, para a fruição e para o prazer (vide a publicidade), a ausência de gratificação imediata é fonte de frustração para os mais jovens e para todos aqueles que não aprenderam a lidar com adiamento do prazer. Mas é mesmo preciso ficar preso a este dilema?

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

A Programação Neuro Linguística é uma arte e uma tecnologia para aumentar o controlo próprio e a riqueza da nossa vida.

A PNL oferece um conjunto de ferramentas transformadoras para comunicarmos melhor com nós próprios e com os outros.

O seu objectivo principal é ajudar as pessoas a terem mais liberdade pessoal na forma como pensam, sentem e se comportam.

A PNL facilita o acesso aos enormes recursos do inconsciente e tem como valores máximos a flexibilidade e a aceitação do modelo do mundo do cliente.

E o que pode a PNL fazer por si?

Simples: ajudá-lo a ajudar-se a si mesmo!

De onde vem a PNL?

PNL baseia-se no estudo da estrutura da experiência subjectiva. Estuda os padrões (“programação”) criados pela interacção entre o cérebro (“neuro”), a linguagem (“linguística”) e o corpo.

O nome deriva das três grandes áreas que abrange:

  • Programação    Como sequenciamos as nossas acções e processos para atingirmos metas.
  • Neurologia         A mente e como pensamos.
  • Linguística         Como usamos a linguagem e como ela nos afecta.

PNL para Terapias ou Coaching ?

A PNL tem imensas aplicações no desenvolvimento pessoal e profissional. Desde muito cedo, os primeiros pesquisadores e praticantes de PNL foram solicitados para a aplicar com fins terapêuticos, até porque os grandes inspiradores iniciais foram alguns dos mais famosos terapeutas da época, como Milton Erickson, Virginia Satir e Fritz Perls.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

A tua aprendizagem não é uma muralha mas sim um apoio. 

Já te aconteceu lutar contra a realidade? Há dias dei por mim a fazê-lo.

 


Vou contar como foi. Tinha uma esferográfica de marca mas de baixo valor que deixei cair ao chão e avariou o mecanismo. Ou seja, deixou de funcionar o botão de mola que ora expunha ora escondia o bico de escrita.

Como ‘decidi’ que tinha encravado o mecanismo, desmontei-o e remontei-o vezes sem conta. Só podia ser a mola presa, porque era o mais lógico.

Um dia, num acto distraído, espreitei pelo orifício por onde passa o bico e...lá estava uma limalha que tinha sido originada pela queda da esferográfica. Tal hipótese nunca me tinha passado pela cabeça pois a esferográfica não podia cair de bico porque era mais pesada na outra extremidade.

Retirada a limalha, com toda a facilidade, a esferográfica foi poupada ao triste destino de ser reciclada e continua a escrever diligentemente.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

“A forma mais comum de perder o seu poder é pensar que não tem nenhum” - Alice Walker.

O tema do poder está presente na natureza humana, em todas as suas actividades.

Já reparou que, ao comunicarmos, quase inevitavelmente fazemos também uma demonstração de poder? Isto pode ser óbvio, em casos de agressividade ou passividade. O comunicador agressivo usa o seu poder sobre outros enquanto o passivo prescinde do seu poder.
O manipulativo usa o seu poder sobre o outro, mas esconde-o.
Quando estão num estado equilibrado de assertividade, as pessoas sentem que podem manifestar o seu poder, contido nos seus próprios valores e objectivos claros.

Continuar...

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

 

 

 

 

 

 

 

 

Poucas pessoas se sentem verdadeiramente satisfeitas com o seu estado actual.

De outra forma, não se entenderia que corrêssemos de um lado para o outro na viagem incessante que julgamos que nos leva do nosso estado actual (EA) para o estado desejado (ED).
Ou seja, estamos reflectidos neste resumo: EA → ED. Sempre insatisfeitos com o estado actual, sempre a caminho de um estado desejado.

Ler +

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

partilha este artigo

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google PlusSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Todos os artigos