3 Ideias Positivas da PNL para a tua Vida

A Programação Neuro Linguística é uma metodologia prática do desenvolvimento humano que surgiu nos anos 70 nos EUA. 

A PNL oferece uma abordagem pragmática e funcional ao estudo da mente, na perspectiva da excelência humana.

Como nos podemos sentir bem, com acesso a todos os nossos recursos, resolvendo padrões ineficazes do passado e atingindo os nossos objectivos mais importantes.

A PNL estuda a mente humana, recriando o seu manual de instruções.

  • Traz ao consciente processos inconscientes
  • Activa recursos
  • É um processo de Enquadramento Positivo
  • Estuda e transforma a estrutura da experiência subjectiva
  • Desbloqueia e corrige padrões deficientes
  • Dá-nos a chave para o manual de utilização da mente
  • Fornece ferramentas para optimizar o processo de comunicação

3 IDEIAS POSITIVAS DA PNL PARA A TUA VIDA

1. A ARTE DO REENQUADRAMENTO POSITIVO. ESCOLHER O MELHOR PONTO DE VISTA.

P: Qual é o significado real dos acontecimentos?

R: Nenhum, basicamente.

O significado é atribuído por ti, ao filtrares a informação disponível através do teu sistema de crenças. Esta é uma das consequências deste princípio: Não são os outros ou as situações externas que te fazem sentir mal. Aquilo que tu pensas sobre o que está a acontecer é que tem esse poder.

Imagina que sais de casa e um desconhecido te empurra, sem pedir desculpa. Como te irás sentir? Se estiveres de mau humor, podes pensar que o mundo está contra ti ou que as pessoas, em geral, são mal-educadas e não têm consideração pelos outros.

Aposto que será diferente se tiveres saído de casa com óptima disposição. E se o desconhecido te pedir desculpa com um sorriso? Então até podes achar que o encontrão é um sinal do Universo que te saúda e apoia!
Mas a verdade é que o encontrão foi o mesmo nas duas situações!

Dica:  Se estiveres a sentir-te mal devido a algo que te aconteceu ou te disseram, experimenta fazer este jogo : Ganhas tantos mais pontos quanto mais enquadramentos ou pontos de vista diferentes puderes encontrar para atribuir significados ao caso.

Exemplos:

  • Que interpretação dava se estivesse num dos meus melhores dias, em contacto com o melhor de mim mesmo?
  • Como seria se eu tivesse o apoio de grandes mestres para me ajudarem a interpretar isto?
  • Que significado este facto poderá ter dentro de uma hora? Uma semana? Um mês, um ano, 10 anos?
  • Como veria a situação pelos olhos de um humorista? E pelos olhos de um super-herói?

O que aprendeste a fazer é um reenquadramento de significado. Em certos casos, também podes fazer um reenquadramento de contexto. Se alguma vez estiveres aborrecido contigo mesmo devido a um comportamento ou atitude que tomaste, procura contextos (situações, ambientes) diferentes onde esse comportamento poderia ser útil. Então ficas a saber que não és tu que estás errado, é simplesmente uma estratégia que podes mudar e uma capacidade que podes concretizar de outra forma.

Exemplo: “Aborreço-me comigo mesmo porque acho que sou preguiçoso. “

Só posso transformar o meu comportamento quando me reconciliar comigo mesmo e aceitar a parte de mim que ‘é preguiçosa’. Em que circunstâncias me pode ser útil ser preguiçoso? Quem apreciaria saber preguiçar? Hum…talvez em férias ou quando preciso mesmo de descansar. E certamente algumas pessoas que não sabem parar, que estão sempre em movimento e ligadas ao trabalho pudessem usar de alguma preguiça.

2. INTENÇÃO POSITIVA

A PNL tem, como crenças estruturantes da sua acção, um conjunto de pressupostos úteis, entre os quais o que afirma que todo o comportamento tem uma intenção positiva. Terá mesmo? Não nos interessa saber se isto é mesmo verdade. O que nos interessa, na visão da PNL, é que esta crença conduz a resultados úteis e ajuda a ganhar perspectiva, aumentando as possibilidades de escolha.

Aplicamos esta ideia em diversas técnicas e sugiro que também tu a apliques na tua vida.

Trata-se de um dos pressupostos da PNL que costuma levantar mais dúvidas aos iniciados. Como assim, mesmo os comportamentos disfuncionais, desviantes, negativos, etc…têm uma intenção positiva?

Sim, mesmo esses. 

No contexto em que o comportamento se deu, com os recursos de que dispunha, a pessoa fez o que fez porque alguma parte dela assumiu o controlo e geriu o comportamento.
Se acreditarmos que houve uma intenção positiva, podemos trabalhar com esta parte ou faceta da sua identidade e vir a escolher novos comportamentos mais funcionais e integrados.

Se não, podemos ficar na punição, culpa e impotência para mudar. Será esta uma boa alternativa?

Usa o pressuposto da intenção positiva tanto contigo mesmo como com os outros.

Lembra-te: Não se trata de arranjar desculpas para manter comportamentos disfuncionais mas sim de passar a uma posição melhor para os alterar!

Dica: Quando algo te afectar negativamente procura qual poderia ser um resultado positivo, mais importante do que a situação desagradável que experimentas.

Se achares que tens um conflito interior, como se uma parte de ti te prejudicasse ou causasse mal-estar, pergunta a essa parte (pergunta bem para dentro de ti) o que ela quer obter mais importante e positivo, para além daquilo que fazes ou sentes.

Quando alguém te ofender, procura a intenção positiva dessa pessoa. Eu sei que esta não é fácil…mas qual seria se houvesse essa intenção e tu estivesses disposto a encontrá-la?

NOTA. Quando procuras uma resposta para a pergunta “Qual poderá ser a intenção positiva disto?”, provavelmente, não a irás encontrar logo. Ela pode estar escondida sob algumas camadas de resistência.

O segredo está em perguntar mais. Considera este exemplo:

Joana perde a paciência e grita com os filhos quando eles não fazem os trabalhos domésticos que lhe competem.

Coach (Facilitador de Mudança): Qual é o objectivo directo deste seu comportamento?
Joana: Fazer-me ouvir e querer que a casa fique arrumada.
Coach: Excelente…encontramos dois objectivos. O que pode a Joana obter, fazendo-se ouvir, que é ainda mais importante do que ser ouvida?
Joana: Ganho respeito.
Coach: Hum, muito bem…vamos supor que é ouvida e tem respeito; o que é ainda mais importante que consegue através de ser ouvida e ter respeito?
Joana: Paz interior.
Coach: Fantástico, então a parte de si que gera o comportamento de gritar com os filhos quer dar-lhe Paz interior.
Coach : O que é mais importante para si, que consegue por ter a casa arrumada?
Joana: Bem-estar interior.
Coach : E o que pode obter através de bem-estar interior que é ainda mais importante e profundo?
Joana: União comigo mesma.
Coach : Excelente, esta sua parte que a tem feito gritar, quer, ao fim e ao cabo, garantir-lhe Paz e União consigo mesma.

A partir daqui, há algumas técnicas específicas para avançar. Fundamentalmente, o que pretendemos é que a Joana se reconcilie com a parte de si (energética e afirmativa) que a fazia gritar e usar a sua energia e competências para orientar novos comportamentos mais agradáveis e úteis para lidar com os filhos, mantendo a intenção positiva de lhe trazer Paz e união.

3. O PASSADO NÃO VOLTA MAIS!

Há uma expressão popular na América que diz que o que acontece em Las Vegas fica em Las Vegas.

Para muitas pessoas, isto não acontece. O que aconteceu no passado continua presente e as emoções aprisionadas em ocasiões difíceis voltam a atormentar o seu presente e a projectar-se para o futuro.

A PNL oferece uma diversidade de métodos para nos reconciliar com o passado. Como dizia R. Bandler, “Nunca é tarde para ter uma infância feliz.”

Principalmente, temos duas abordagens eficazes.

  • Mudar os filmes do passado.
  • Levar ao nosso passado aprisionado os recursos necessários para se libertar.

Na 1ª abordagem, procuramos as imagens mentais que nos ligam a esses momentos do passado.

Queres fazer a experiência? Escolhe um acontecimento ligado a uma emoção desagradável que ainda perdura ou do qual te recordas com algum sofrimento. Numa escala de 1 a 10 (1- pouco intenso, 10- muito intenso), como sentes a emoção que te ligava a este acontecimento passado?


Dica1: Para diminuir a intensidade da emoção negativa, assegura-te que, na imagem do acontecimento passado, incluis a imagem de ti mesmo. Isto é: não estás a reviver o momento mas sim a visitar a representação que tens desse momento. Chamamos a esta uma imagem dissociada, como vista por um observador de fora.

Dica2: Distancia de ti essa imagem. Torna-a pequena e retira-lhe cor e nitidez, como se fosse uma velha fotografia desmaiada pelo tempo.

Dica3: Visualiza um pequeno filme do acontecimento. Passa-o rapidamente, com movimento acelerado, do princípio para o fim e depois do fim para o princípio. Repete várias vezes, cada vez mais depressa.

Numa escala de 1 a 10, como sentes agora a emoção que te ligava a este acontecimento passado?

Na 2ª abordagem, levamos ao passado os recursos que teriam sido úteis para viver o acontecimento de uma forma mais neutra. Desenvolveremos este processo noutra publicação.

Dica: Imagina-te numa viagem ao teu futuro, daqui a alguns anos e olha para o momento presente.

A partir desse momento futuro, onde terás ganho mais experiência e sabedoria, poderás reparar em tudo o que é realmente importante para ti, agora.
Interroga-te:

“Como eu gostaria de ter passado mais tempo, fazendo o quê?”.

“Em que áreas da minha vida eu gostaria de ter investido mais?”.

“Quais são as coisas realmente importantes para mim, quando observadas do futuro?”.

“Quais as pessoas que eu gostaria de ter acompanhado mais?”

NOTA:
A PNL dispõe de uma grande diversidade de instrumentos de apoio à mudança. Procura um Coach certificado com PNL se quiseres experimentar os seus maiores benefícios.
Uma formação de PNL poderá dar-te uma vasta experiência das ferramentas e modelos da PNL, com grande impacto pessoal e profissional.

Deixeo seu comentário