Criar uma Visão com Intenção para atingir objectivos e viver melhor

Conjugar Intenção e Visão para atingir Objectivos e viver melhor

Há circunstâncias na vida em que é preciso tomar decisões de fundo sobre o rumo a tomar. Muitas vezes, estas decisões podem levar-nos a sair da bem conhecida e estreita zona de conforto e o nosso cérebro, amigo do habitual e do conhecido, arrepia-se de medo.
Bom, não é sempre assim, não há dois cérebros iguais, felizmente.
Há pessoas que preferem a diversidade e surpresa à estabilidade e ao hábito. Todavia é comum que as grandes mudanças sejam encaradas com apreensão. Isto é perfeitamente justificado se tivermos em conta que o nosso cérebro mais primitivo está ‘programado’ para nos proteger do perigo que, normalmente, toma a forma de algo imprevisto, diferente do habitual.

Por vezes pensamos precisar de uma coragem que não temos para nos atrevermos a fazer as coisas que julgamos serem importantes mas ainda não urgentes.
Quando elas são urgentes e inevitáveis, muitas vezes descobrimos ter a bravura que desconhecíamos em nós mesmos.

Há uma espécie de coragem e determinação mais importante do que a do exemplo acima. É a que nos permite, todos os dias, sermos co-criadores do mundo em que vivemos. É esta a coragem que sustem a nossa vida.

Presentemente, muitos jovens não encontram trabalho regular em empresas estáveis, à moda antiga. Cada vez mais, as pessoas são desafiadas para criar os seus postos de trabalho, desenvolvendo carreiras livres, em permanente mutação.
De que competências precisam estas pessoas?

Além daquelas que são óbvias, como auto estima, resiliência, criatividade, capacidade de gerir a sua agenda, resistência ao stress, etc., é importante que definam bem os Objectivos, os Resultados e uma Visão de suporte. E que sejam capazes de acção determinada.

O Objectivo é como um veículo que nos vai levar a algum lado. Aí obtemos os Resultados que o Objectivo nos garante. E concretizamos a Intenção.

Ter uma Visão é como abrir uma estrada iluminada. É ela que permite desenvolver o Objectivo e concretizar a Intenção (com os Resultados desejados).  O que nos leva lá é a energia que pomos no Objectivo, a Acção determinada.

  1. Intenção – Formular bem OBJECTIVOS poderosos.

Antes de mais, existe uma relação íntima entre problemas e objectivos.
Um problema é um obstáculo que nos distancia de um objectivo. O objectivo, para ser poderoso, não é simplesmente a ausência do problema mas sim o que acontece, o que se obtém ao ter resolvido o problema.
Não querer algo pode ser legítimo mas é pouco motivador. É preciso saber o que se quer em vez disso.
Não querer um emprego precário e mal pago pode levar-nos a entregar uma carta de demissão mas é insuficiente para ajudar a definir o passo seguinte.
Suponhamos que quero um emprego estável e bem pago. É este o Objectivo. Que resultados este objectivo vai trazer para mim e para as pessoas próximas? O foco nos Resultados é mais importante do que o objectivo em si.
Algumas perguntas pertinentes: O que vou/posso obter como efeito do Objectivo? Que pessoa serei, em resultado disto? Que impacto vai ter nas pessoas que são importantes na minha vida? Supondo que já atingi o Objectivo, o que me motivará para continuar?

  1. Criar uma VISÃO orientadora.

Uma visão atraente dará uma resposta mais um menos clara, mais ou menos consciente mas certamente bem sentida às perguntas: quem eu sou, qual é a minha missão e propósito.

Quando temos uma visão e ela  nos coloca em contacto com algo mais importante do que nós mesmos, o poder que isso nos dá é enorme.

Um erro frequente é achar que só objectivos de grande monta suportam a visão.

O que é importante é dar a energia da visão ao objectivo.Pergunta-te: “Como posso transformar o que faço numa etapa para ir até onde realmente acho importante chegar?”

Uma visão pode conter imagens concretas do teu futuro ‘Eu’ mas o mais provável é que seja uma imagem inconsciente, como uma luz dum farol que adivinhas à distância.
Experimenta questionar-te acerca do que te torna feliz e das ocasiões em que manifestaste o melhor de ti mesmo. Recorda-te das pessoas que já te inspiraram e das capacidades que já demonstraste em situações difíceis ou de limite. O que te inspira e motiva mais do que tudo?
O que desperta dimensões ocultas da tua identidade, o que te faz sentir mais vivo?
Já tens a tua Visão?

  1. Definir e desencadear ACÇÃO determinada.

Sem acção não há resultados. Sem acção, não há manifestação do potencial. Sem manifestação, o potencial humano tende a reduzir-se, como um corpo que fraqueja porque não se exercita.

Acção determinada só é possível quando existe uma grande motivação e ela pode ser conseguida quando se percebe que:

  • Há muito a perder caso não faças algo.
  • Há muito a ganhar caso faças.
  • Os teus valores mais importantes estão presentes.
  • Tu acreditas nas tuas capacidades e merecimento.
  • Podes antecipar e sentir os resultados positivos que vais obter.

Repara que nem sempre os resultados estarão ao nível das tuas expectativas. Só há uma forma de protegeres o teu potencial: converter eventuais fracassos em aprendizagens.

Repara ainda que qualquer êxito (ainda que pequeno) no teu caminho em direcção ao objectivo pode ser um potenciador da determinação.

E, quando coisas desagradáveis acontecem e o fracasso parece próximo, pergunta acertada raramente é “Porque isto me aconteceu?” mas sim “O que posso fazer com isto?”

Nota :
Eu escrevo estes artigos usando perspectivas da PNL.
A Programação Neuro Linguística dá uma grande importância à boa formulação de Objectivos, ajudando as pessoas a definir Objectivos que sejam ‘programas neuro linguísticos para o sucesso’, convocando todos os recursos conscientes e inconscientes para os atingir.

Deixeo seu comentário